Enter your keyword

imagem_header_melhore_sua_doenca
ESTIMULAÇÃO MEDULAR

ESTIMULAÇÃO MEDULAR

Estimulação medular é um método de neuromodulação em que um gerador emite impulsos elétricos na medula através de um eletródio com objetivo primário de tratar dores crônicas de forte intensidade. A depender da região da medula exposta a esses estímulos, o cérebro interpreta uma sensação como um formigamento leve ou uma massagem sobre essa região, como região lombar ou pernas, dando uma sensação agradável no lugar da dor até então intratável.

A programação desses geradores de pulsos permite que o médico treinado escolha quais polos dos eletródios estarão com cargas positivas, negativas e quais estarão neutros. Existem muitas combinações possíveis, por isso, o médico deve ter ideia do que pretende estimular antes de realizar um teste ou implante definitivo.

estimulação medular

Os estudos mostram que quando realizado em condições ideais esta técnica pode trazer alívio da dor em 70% dos casos de dor com redução da medicações analgésicas e melhora na qualidade de vida, o procedimento cirúrgico pode ser de forma minimamente invasiva ou de forma percutânea, pode ser realizado com anestesia local ou geral, a depender da técnica aplicada e da tolerância do paciente. Essa cirurgia demora entre 40 minutos até duas horas, a depender do caso, o eletrodo fica dentro da coluna, na parte de trás, o local exato depende da região que se deseja estimular.

COMO SABER SE A ESTIMULAÇÃO MEDULAR VAI FUNCIONAR PARA MEU CASO?

O paciente pode ser testado durante o ato cirúrgico, onde o eletródio é conectado a um estimulador externo que reproduz o efeito imediato da estimulação medular. O cirurgião pode optar por conectar extensores nos eletródios e manter o paciente com um gerador externo para teste. Assim, o próprio paciente pode avaliar o quanto a terapia ajuda em sua dor, ficando alguns dias com esse estimulador externo até a decisão de implante permanente ou explantação do sistema. Para pacientes com anestesia geral, existe estudo de aplicação de monitorização neurofisiológica para otimização do posicionamento na região medular desejada.

QUAIS AS INDICAÇÕES PARA COLOCAR UM ESTIMULADOR MEDULAR?

As principais indicações para esse tipo de tratamento são para pacientes com dores neuropáticas refratárias ao tratamento clínico e multidisciplinar.

DOENÇAS NEUROLÓGICAS OU DA COLUNA:

– Síndrome pós-laminectomia, dor lombar pós falha do traatmento cirúrgico (failed back syndrome)

– Dor radicular ou radiculopatia resultante de sindrome pós laminectomia ou de hérnia de disco

– Dor secundária a múltiplas cirurgias de coluna

– Cirurgia de hérnia de disco mal sucedida

– Doença degenerativa discal ou hérnia de disco refratária ao tratamento clínico conservador e às intervenções cirúrgicas

– Causalgia periférica

– Fibrose epidural

– Aracnoidite

– Neuralgia pós-herpética refratária ao tratamento conservador

– Polineuropatia periférica refratária ao tratamento conservador

– Síndrome da dor regional complexa, distrofia simpático reflexa ou causalgia

– Dor mielopática segmentar

– Dor decorrente de deaferentação plexular

CAUSAS VASCULARES:

– dor no coto de amputação

– dor isquêmica de membros inferiores (aterosclerose grave)

CAUSAS CARDIOLÓGICAS:

– angina intratável e de etiologia já estabelecida e controlada

CAUSAS ONCOLÓGICAS:

– dor secundária a câncer com comprometimento ósseo, articular, deestruturas nervosas ou vísceras.

Para saber se sua dor é tratável por esse método, procure um médico especializado em dor ou um neurocirurgião funcional para avaliação.

QUANTO TEMPO DURA A BATERIA DO GERADOR? COMO FAÇO PARA RECARREGAR?

Os geradores de pulso possuem uma bateria com duração variável, já os geradores não-recarregáveis apresentam duração em média de 2 anos. Os geradores recarregáveis tem vida útil maior, podem durar de quatro a sete anos. Os intervalos de recarga podem variar de dias até semanas, dependendo dos parâmetros utilizados e do gasto energético.

A recarga é realizada através de uma bateria ligada a uma bobina que é posicionada sobre o gerador do paciente. Em média, as recargas demoram duas horas, podem ser realizadas enquanto o paciente está em casa, seja vendo televisão ou até mesmo dormindo.

COMO É A TROCA DO GERADOR?

Após término, ou pouco antes do término da bateria os geradores devem então ser substituídos, e isso requer um novo procedimento cirúrgico. Consiste na abertura da incisão prévia do gerador, retirada do gerador antigo e implante de novo gerador, geralmente um procedimento simples, pode até ser realizado com anestesia local. Esse procedimento demora cerca de meia hora.

O QUE É NEUROMODULAÇÃO?

Neuromodulação é um processo de regulação de uma população de neurônios, determinando um modo de funcionamento. A neuromodulação fisiológica consiste na ação de neurotransmissores sobre populações neuronais. Já a neuromodulação de interface tecido nervoso-máquina, como no caso de estimuladores, é uma maneira de se moldar o funcionamento do sistema nervoso com objetivo definido.

Com a aplicação de energia elétrica sobre o sistema nervoso, os estímulos aplicados alteram a função (modulam) de maneira a se obter um novo funcionamento da estrutura ou de circuitos associados à região estimulada, gerando um sistema nervoso com ação diferente da usual.

A CIRURGIA É REVERSÍVEL?

Sim, o implante de estimulador medular pode ser reversível. Caso o paciente deixe de sentir dor, o sistema pode ser desligado e permanecer implantado no paciente pelo resto da vida, desde que não cause qualquer incomodo. Caso o paciente deseje retirar o sistema, deverá ser submetido a nova cirurgia, que em geral é mais complexa que o implante, pois o corpo forma uma cicatriz ao redor do eletródio no espaço epidural e é necessário neurocirurgião com treinamento para retirada do equipamento.

VANTAGENS DO MÉTODO:

A estimulação medular para o tratamento da dor é procedimento já realizado há mais de 50 anos e largamente aceito como eficaz na comunidade médica. Apresenta a vantagem de ser procedimento relativamente simples e pouco invasivo. É também um procedimento reversível, ou seja, não causa lesão ao tecido nervoso e pode ser removido a qualquer hora em caso de ausência de beneficio ao paciente.