Enter your keyword

imagem_header_melhore_sua_doenca
Parkinson e a cirurgia de estimulação cerebral profunda (DBS)

Parkinson e a cirurgia de estimulação cerebral profunda (DBS)

Uma das principais doenças a serem tratadas por meio da estimulação cerebral profunda é a doença de Parkinson. Embora não exista atualmente cura para essa doença, a terapia de estimulação cerebral profunda (DBS) pode tratar alguns dos seus sintomas. A DBS não cura a condição subjacente. Se a terapia for descontinuada, os seus sintomas retornarão.

Geralmente, a palidotomia é a opção indicada pelo neurocirurgião quando os pacientes que sofrem com a Doença de Parkinson ficam imunes aos efeitos dos medicamentos.

A cirurgia de Parkinson através da palidotomia é uma técnica antiga. Realiza-se uma lesão em uma região cerebral profunda, o globo pálido, de maneira irreversível. Com o desenvolvimento tecnológico, começou-se a optar por não destruir essa região do globo pálido, mas sim realizar uma estimulação.

A estimulação cerebral é uma terapia reversível que pode oferecer aos pacientes de Parkinson controle contínuo dos sintomas relacionados aos movimentos, 24 horas por dia. Além disso, ela pode ser ajustada e personalizada para gerenciar da forma mais eficaz os sintomas motores específicos de cada indivíduo.

Os benefícios da estimulação cerebral incluem melhora na qualidade de vida, prolongando o período de tempo de controle dos sintomas, bem como redução na quantidade de medicação que o paciente toma. Isso além de ajudar a reduzir os efeitos colaterais da medicação.

A DBS usa um dispositivo médico cirurgicamente implantado semelhante a um marca-passo cardíaco para fornecer estimulação elétrica a regiões precisamente almejadas dentro do cérebro.

A estimulação dessas regiões bloqueia os sinais que causam os sintomas motores incapacitantes da doença de Parkinson. A estimulação elétrica pode ser não-invasivamente ajustada para se maximizar os benefícios da terapia. O resultado disso é que muitas pessoas conseguem ter maior controle sobre seus movimentos corporais.

Um sistema de DBS consiste de três componentes implantados:

Eletrodo – Um cabo-eletrodo é constituído de quatro finos fios isolados e enrolados com quatro eletrodos em sua ponta. O cabo-eletrodo é implantado no cérebro.

Extensão – Uma extensão conecta-se ao cabo-eletrodo e passa sob a pele desde a cabeça através do pescoço até a parte superior do peito.

Neuroestimulador – O neuroestimulador conecta-se à extensão. Esse dispositivo pequeno e hermeticamente fechado, semelhante a um marca-passo cardíaco, contém uma bateria e componentes eletrônicos. O neuroestimulador é geralmente implantado sob a pele, no peito, abaixo da clavícula (dependendo do paciente, um cirurgião poderá implantar o neuroestimulador no abdômen). Às vezes chamado de um “marca-passo cerebral”, ele produz os pulsos elétricos necessários à estimulação.

Esses pulsos elétricos são transportados através da extensão, e levados às regiões almejadas do cérebro. Os pulsos podem ser ajustados remotamente para se verificar ou modificar os ajustes do neuroestimulador.

O seu cirurgião poderá fornecer-lhe um pequeno programador de mão do paciente ou imã. Esse programador permite que você ligue e desligue o sistema segurando-o por 1 ou 2 segundos contra a região onde o neuroestimulador foi implantado. Entretanto, na maioria dos casos o neuroestimulador fica sempre ligado.

BENEFÍCIOS:

A DBS reduz comprovadamente alguns dos sintomas associados à doença de Parkinson.

A Terapia DBS está atualmente aprovada para tratar doença de Parkinson, tremor essencial e distonia.* Desde 1997, mais de 50.000 pacientes do mundo inteiro têm-se beneficiado da Terapia DBS.

EFICIENTE – O Sistema DBS estimula regiões específicas do cérebro. Em estudo clínico, 87% dos pacientes demonstraram melhoras no escore motor no estado SEM medicação ao final da avaliação de 12 meses.

AJUSTÁVEL – Os parâmetros de estimulação podem ser ajustados pelo seu clínico para satisfazer suas necessidades específicas.

REVERSÍVEL – Diferentemente de outros tratamentos cirúrgicos, a Terapia DBS (DBS Threrapy) não envolve a remoção de nenhuma parte do seu cérebro. O sistema DBS pode ser desligado ou removido.

ESTIMULACAO_CEREBRAL_PROFUNDA

RISCOS:

Os riscos da Terapia DBS podem incluir os riscos de cirurgia, efeitos colaterais ou complicações com o dispositivo. A implantação de um sistema neuro-estimulador carrega os mesmos riscos associados a qualquer cirurgia cerebral.

O seu médico pode fornecer mais informações sobre esses e outros riscos em potencial e efeitos colaterais. Muitos efeitos colaterais relacionados à estimulação podem ser controlados ajustando-se a configuração de estimulação. Várias visitas de acompanhamento podem ser necessárias para se encontrar a configuração de estimulação.

Os riscos da cirurgia podem incluir:

• Paralisia, coma e/ou morte
• Sangramento dentro do cérebro (hemorragia intracraniana)
• Vazamento de fluído ao redor do cérebro
• Convulsões
• Infecção
• Resposta alérgica a materiais implantados
• Complicações neurológicas temporárias ou permanentes
• Confusão ou problemas de atenção
• Dor nos locais da cirurgia
• Dor-de-cabeça

EFEITOS COLATERAIS:

• Sensação de formigamento (parestesia)
• Piora temporária dos sintomas
• Problemas de fala como sussurros (disartria) e problemas na formação das palavras (disfasia)
• Problemas de visão (visão dupla)
• Tontura ou atordoamento (desequilíbrio)
• Fraqueza ou paralisia parcial do músculo facial e de membros (paresia)
• Movimentos anormais, involuntários (coreia, distonia, discinesia)
• Problemas de movimentação ou coordenação reduzida
• Sensação de solavanco ou choque
• Entorpecimento (hipoestesia)

COMPLICAÇÕES COM O DISPOSITIVO:

• Dor, deficiência na cura ou infecção onde as partes do Sistema DBS são implantadas
• Infecção ou necrose causada pelas partes do sistema que atritam na sua pele
• Cirurgia de reajuste se o conector do cabo-eletrodo ou do cabo-eletrodo/extensão se mover, ou se ocorrerem problemas mecânicos ou elétricos
• Uma reação alérgica ou rejeição do seu corpo ao sistema
• Lesões em tecidos resultantes de parâmetros de programação ou mal funcionamento de uma das partes do sistema

Clique aqui e conheça os sintomas, causas e mais detalhes sobre a doença de parkinson.